Veja os reparos que vale a pena fazer antes de vender o carro

conserto automotivo
Descubra o que vale a pena ser consertado no seu carro antes de vender.

Com o mercado de usados em alta, pode ser a hora de vender o seu. Com tanta opção por aí, investir na boa aparência pode fazer muita diferença

Chega a hora de vender o carro e uma dúvida costuma aparecer: é melhor passar o usado para frente do jeito que está ou compensa fazer pequenos consertos antes de procurar interessados?

O objetivo, claro, é valorizar o bem e vendê-lo pelo maior possível. No caso, o ideal é gastar o mínimo possível para fazer brilhar os olhos dos interessados.

“Vale a pena fazer pequenos investimentos, sim, mas apenas em detalhes estéticos que ajudarão a obter um melhor valor na hora da venda”, explica Amos Lee Harris Junior, CEO da Universidade Automotiva (UniAuto).

Veja abaixo onde vale investir seu dinheiro para ter certeza de fazer um bom negócio.

Compensa fazer

(Filipe Campoi/Quatro Rodas)

1. Amassados e riscos

Amassadinhos que não afetam a pintura devem ser consertados. O serviço é feito com ferramentas próprias como alavancas, bombas de sucção, martelos e pinos de aço, e conforme o caso não exige a necessidade de remover os forros de porta, teto ou porta-malas, o que barateia o custo.

Texeira: "Lavagens mal feitas são a principais causadoras de riscos. Basta uma para a pintura ficar toda comprometida"

Com um valor de R$ 70 a R$ 400 (para um sedã médio), vale a pena mandar arrumar: além de melhorar a parte estética, o serviço é rápido – no máximo uma hora.

No caso dos arranhões, um polimento (por menos de R$ 400) ou um retoque nos riscos (até R$ 500) pode resgatar sua aparência de novo.

2. Vazamentos de óleo

Muita gente tem receio de reparar um vazamento antes de revender o carro com medo da conta da oficina. Mas é sempre recomendável fazer uma consulta ao mecânico, pois na maioria das vezes o conserto é simples e barato.

Longa Duração: Audi A3

(Silvio Gioia/Quatro Rodas)

E ainda pode poupá-lo do mico de alguém encontrar óleo pingando no chão durante a vistoria. Pense duas vezes antes de mandar lavar todo o motor: aspecto de limpeza exagerada nessa área pode sugerir que você quer camuflar um problema que não existe.

3. Sujeira externa e interna

Alguns donos acham que só uma lavagem simples é suficiente para deixar lataria bonita. Essa não é a hora de economizar, até porque esse custo é baixo.

Certifique-se de que a limpeza será bem-feita nas rodas dianteiras, difíceis de lavar, e no interior, como carpetes, bancos, painel e portas. O custo da lavagem detalhada é de R$ 130 e R$ 200 para um carro médio.

4. Polimento e cristalização

Mesmo que a carroceria não tenha riscos, um polimento dá vida a uma pintura sem brilho ou queimada de sol. Feito com politriz profissional, custa menos de R$ 400.

Se ela estiver muito danificada ou manchada, cristalização (ou espelhamento), processo no qual se aplica uma resina para corrigir imperfeições, pode ser uma boa solução. O serviço sai por cerca de R$ 500, mas dará ao seu automóvel aaparência de ser bem mais novo do que é.

5. Jogo de ferramentas

Um detalhe que merece atenção é o kit, composto de macaco, chave de roda e triângulo de sinalização. A ausência de um desses itens causará má impressão aum comprador mais experiente, daqueles que abrem capô e porta-malas.

E o melhor de tudo é que não é caro: o conjunto é vendido por uns R$ 70. Não se esqueça de dar a devida atenção ao estepe: deixe-o calibrado e faça uma limpeza, se estiver sujo.

Nao compensa

6. Velas e cabos

Se o motor tiver dificuldade de partida, falha na aceleração e perda de potência, é preciso verificar os dois itens, pois esses sintomas ficarão evidentes num test-drive.

(Silvio Gioia/Quatro Rodas)

Se a questão for só o alto consumo de combustível, não afetará negativamente os interessados no seu veículo. Mas cá entre nós: você já deveria ter trocado enquanto usava o carro no dia adia, pois o custo não é alto: um jogo de velas e cabos para um popular fica em menos de R$ 300.

7. Suspensão

Qualquer conserto aqui não é barato. Trocar só as buchas da suspensão de um sedã como um Honda Civic não sai por menos de R$ 1.000. Por isso, seja honesto com o interessado e diga o que precisa ser feito na suspensão.

Suspensão mais elevada favorece o T4 no facões e na maioria dos desafios

Em último caso, só substitua peças como amortecedores, molas, buchas, bandejas ou rolamentos se estiverem exageradamente desgastados, ruidoso soudefeituosos, o que no momento do test-drive poderá afastar o comprador.

8. Disco de freio e pastilha

Como estamos falando de dois componentes que não afetam a parte estética do automóvel, você não precisa pensar em substituí-los. O par de pastilhas dianteiras para um modelo popular sai, em média, por R$ 90, fora a mão de obra.

Logicamente, se eles estiverem demasiadamente gastos, a situação muda de figura, pois o atrito com a pastilha desgastada pode causar empenamento no disco e aí o prejuízo será ainda maior.

9. Pneus

Um jogo de pneus é sempre caro: começa em R$ 650 e chega fácil, num sedã médio, a R$ 1.500. É um investimento que dificilmente você terá de volta na revenda.

Além disso, uma boa parte dos interessados não se lembra de checar o estado dos pneus com atenção. No máximo, ofereça um desconto maior ao possível comprador para que ele tenha em mente que terá de fazer a troca mais tarde.

10. Óleos e fluidos

Geralmente são itens que o novo proprietário costuma trocar depois da compra, além de não serem notados em uma inspeção visual. Nesse caso, só complete, pois um comprador mais cuidadoso pode perceber que o nível dos líquidos no reservatório está baixo e desconfiar de um possível vazamento ou de desleixo na manutenção. O serviço de revisão e troca dos fluidos costuma ser oferecido por cerca de R$ 500 em autorizada.

Fonte: Quatro Rodas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *